Correlações – Pabllo Vittar, Tiago Iorc e Felipe Araújo

Iniciamos este estudo com a intenção de investigar se existe correlação entre métricas do Instagram e do Spotify. Mais do que isso, se artistas que possuíam muitos seguidores no Instagram (rede caracteristicamente visual), conseguiam levar seu público para o Spotify, convertendo likes em streams. Por isso, selecionamos três artistas que têm o Instagram como sua principal rede, ou seja, aquela que concentra o maior número de seguidores. São eles: Pabllo Vittar, Tiago Iorc e Felipe Araújo. Ao longo do estudo, que analisou o período de 21/07/2017 a 07/12/2017, métricas do Facebook e do YouTube foram incluídas. Vale ressaltar que não é nossa intenção encerrar o assunto, e sim levantar questões sobre essas possíveis correlações. 

 

Gráfico de audiência dos artistas Pabllo Vittar, Felipe Araújo e Tiago Iorc, em que se vê o Instagram como principal rede.

 

Nas matrizes abaixo, vemos os pares de métricas dos três artistas analisados. As três primeiras mostram todas as correlações e as três últimas mostram somente as correlações que analisaremos nesse post. Para facilitar a leitura, colocamos números representando as colunas e letras representando as linhas. Consideramos que há correlação quando o número é superior a 0,3 (veja o vídeo explicativo no final desse post). 

 

Além disso, levamos em conta somente os gráficos que apresentam uma correlação linear clara. Veja os exemplos abaixo: 

Interpretação das matrizes de correlação

A primeira observação quanto às matrizes de correlação é: os três artistas apresentam a correlação Spotify:streams x Spotify:ouvintes (6G, 15G e 24G). Essa é a maior correlação existente (próxima do valor máximo, 1). Ou seja, em termos práticos, essas duas métricas são equivalentes. Como esse comportamento é comum aos três artistas, isso parece estar relacionado à natureza de utilização do Spotify, e não às características dos artistas. Exemplo: Mais ouvintes no Spotify está relacionado a mais streams. Isso mostra uma correlação intra-rede.

Observamos que o Tiago apresenta somente duas correlações fortes, enquanto Felipe e Pabllo tem dez e onze, respectivamente. Isso sugere que os eventos associados a esses dois artistas transcendem as métricas e, até mesmo, a rede social desses eventos (correlação inter-rede). Veja a explicação abaixo:

Correlações intra-redes

Vejamos primeiro as correlações entre as métricas de uma mesma rede social/serviço de streaming, nesse caso, Instagram, Spotify e YouTube. Não vamos analisar agora o Facebook, pois estamos avaliando somente uma métrica dessa rede social.

Instagram

Os três artistas apresentam uma forte correlação intra-rede no par Instagram:like x Instagram:comentários (2C, 11C e 20C). Como podemos observar, Felipe apresenta a maior correlação e Tiago, a menor.

Spotify

Além do par Spotify:ouvintes x Spotify:streams, que são equivalentes, tanto o Felipe, quanto a Pabllo apresentam forte correlação nos pares Spotify streams x Spotify:novos seguidores (14G e 23G) e Spotify:ouvintes x Spotify:novos seguidores (14F e 23F). Desse modo, Spotify:novos seguidores e Spotify:streams (ou Spotify:ouvintes) estão correlacionados. Isso significa que, quando há um acréscimo (ou decréscimo) na quantidade de seguidores, há também um acréscimo (ou decréscimo) na quantidade de streams, embora não saibamos dizer o que acontece primeiro.

YouTube

Apenas o Felipe apresenta uma fraca correlação entre métricas do YouTube: plays no canal e novos assinantes (17I). Esse evento equivale ao que acabamos de discutir no Spotify, com a diferença de que aqui ele não ocorre para Pabllo. Portanto, essa é provavelmente uma característica de como o Felipe investe nessa rede. Logo, poderíamos concluir que o Felipe é mais engajado no YouTube? Apesar de a Pabllo ter um número maior de inscritos no YouTube, a ausência de uma correlação significativa entre plays e novos assinantes demonstra que um evento não interfere no outro.

Correlações inter-redes

Facebook

Ao observarmos a primeira coluna da matriz, notamos que a Pabllo apresenta três correlações, uma com o YouTube:novos assinantes (19H), uma com o Spotify:streams (19G) e outra com o Instagram:novos fãs (19D), sendo apenas essa última uma correlação forte. Isso significa que uma ação realizada em uma das redes pode afetar a outra (embora não saibamos a ordem com que isso aconteça). Esse fenômeno não ocorre para o Felipe, ou seja, ações do Felipe no Facebook ficam no Facebook.

Instagram

No Instagram, o Felipe parece ter mais capacidade de mobilização. Olhando para a coluna Instagram:novos fãs, vemos que há correlação com YouTube:novos assinantes (13H) e Spotify (todas as três métricas: 13G, 13F e 13E). Embora não possamos afirmar nada quanto à ordenação temporal ou causalidade, é mais provável que as ações do Felipe no Instagram estejam causando eventos nas outras duas redes. Já Pabllo, embora seja mais eficiente em converter novos fãs no Instagram em novos fãs no YouTube (pois sua correlação é maior), só tem efeito em uma das métricas do Spotify, streams. Em outras palavras, o Felipe consegue converter fãs em uma rede em fãs na outra, enquanto a Pabllo consegue fazer com que seus fãs no Facebook ouçam suas músicas no Spotify.

Spotify

Além das correlações do Spotify com o Instagram, apenas a Pabllo apresenta também correlação Spotify:streams com o YouTube:novos assinantes. Isso significa que um acréscimo (ou decréscimo) de novos assinantes no YouTube está causando um acréscimo (ou decréscimo) de streams no Spotify (ou o oposto, não sabemos) (25H).

Para a Pabllo, vemos correlações do YouTube com Facebook, Instagram e Spotify. Portanto, o mais provável é que a causa seja o YouTube (talvez haja outra causa subjacente às informações que temos aqui). Por exemplo, pode ser que tudo isso seja efeito das aparições da Pabllo na mídia. Novamente, não sabemos dizer. Mas o fato é que a Pabllo está presente nessas redes, de tal modo que os eventos nelas ocorrem simultaneamente, indicando uma correlação inter-redes.

Por outro lado, o Felipe apresenta menos correlações, mas todas elas estão relacionadas com “novos fãs”. Veja na penúltima linha: um acréscimo (ou decréscimo) de novos assinantes no Youtube ocorre ao mesmo tempo que um acréscimo (ou decréscimo) de novos fãs no Instagram (13H) e seguidores no Spotify (14H), ainda que a correlação seja fraca.

Resumidamente, parece que a Pabllo tem sido mais eficiente em desenvolver uma audiência ativa, que consome seu conteúdo, enquanto que o Felipe parece conseguir construir de uma base de fãs, que não necessariamente implica em um aumento do consumo de suas músicas e vídeos (plays, streams, etc).

YouTube

Já foi abordado nas redes anteriores.

 

Conclusão

Tiago apresenta um número menor de correlações, enquanto Felipe e Pabllo tem quase o mesmo nível de influência inter-redes, sendo Pabllo um pouco maior. Pabllo apresenta correlações com o Facebook e o Felipe não. Se Pabllo não tivesse correlações com o Facebook, Felipe seria um artista com maior nível de influência intra e inter-rede.

A Pabllo é a única artista em que todas as suas redes apresentam algum tipo de correlação. Aparentemente, sua rede mais forte (Instagram) influencia o consumo do seu trabalho e também aumenta a sua base de fãs. Já o Felipe apresenta uma correlação em que sua rede mais forte influencia mais o consumo do seu trabalho e menos a construção de uma base de fãs. Veja o vídeo com mais explicações.

 

 

Categories: Geral, Relatorio Semanal

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *